PAREM DE EXIGIR FILHOS PARA OS OUTROS, FILHOS NÃO SÃO ACESSÓRIOS!

FILHOS

Filhos são bênçãos, mas com eles vêm muitas responsabilidades também!

 

Você já parou pra pensar o porquê dessa pressão tão grande para se ter filhos? Pressão essa exercida, principalmente, sob as mulheres?

 

Eu sou casada há um pouco mais de oito anos e desde o momento em que eu saí da igreja no dia do meu casamento, eu escuto coisas como: “Quando vai dar um netinho para a sua mãe? Tem que ter filho porque se não o casamento fica chato!, Tem que dar um herdeiro pro seu marido!”, e assim vai, entre outras frases que escuto quase que diariamente. O engraçado é que essas perguntas nunca são direcionadas para meu marido. Na verdade, quando perguntam para ele algo sobre, é sempre mais tranquilo sem aquela cobrança extrema na frase. 

 

Esse tipo de coisa e comportamento, me faz refletir e pensar muito sobre. A sensação é que as pessoas querem filhos apenas para satisfazer seu ego e, assim, alimentar seu egoísmo, algo como: “olha, concluí mais essa etapa do jogo da vida!”. 

 

Claro, não vamos generalizar, mas boa parte das pessoas que cobram filhos dos outros é meio que no sentido de um dever da mulher engravidar e procriar. E ai dela se não cumprir esse papel. Parece que aí que as pessoas mais enchem o saco.

 

E isso me faz refletir: Será que essas pessoas pensam sobre a importância e responsabilidade que é colocar e EDUCAR outra pessoa no mundo? Porque, sejamos sinceros, aquela fase bebezinho, fofinho, que todo mundo ama, dura o quê? dois ou três anos? E depois? As responsabilidades aumentam cinco vezes mais, pois, a partir do momento que você coloca um outro ser no mundo, é de extrema importância que você dê as estruturas necessárias para essa criança se desenvolver e se tornar um bom adulto. 

 

Tem uma analogia que eu acho bem válida de fazer sobre filhos que quero compartilhar com vocês:

 

Antes de se construir um prédio é de extrema importância que você prepare o terreno e faça uma boa fundação, a base do prédio se não for bem feita pode causar danos, às vezes, irreparáveis na estrutura da construção e, às vezes, pode chegar a derrubar o prédio se a base não foi bem feita. Agora, quando a fundação é bem feita, aquele prédio é resistente às variações de tempo. 

 

Relacionando isso à maternidade/paternidade, eu acredito que as pessoas esquecem o quanto a base, a infância de uma criança, é de EXTREMA importância para a formação do adulto que ela irá se tornar. 

 

Segundo uma pesquisa realizada na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), pela psicóloga Vanessa Fernandes Fioresi, alerta que traumas causados na primeira infância são fatores de risco importantes para a saúde mental do indivíduo na vida adulta.

 

Quando uma criança tem uma base sólida, bem estruturada, as chances dela se tornar um adulto com bom carácter, e bem estruturado, são maiores. Porque sim gente, quando você coloca um ser no mundo, não deve pensar apenas nos momentos fofinhos, deve refletir sobre o tipo de pessoa que você quer deixar por aqui. 

 

E quando eu falo de base sólida, não estou falando sobre dar tudo o que a criança quer, mas sim sobre educação, responsabilidade, vivência social, respeito com o próximo, saúde, saneamento básico e dar estruturas para que essa criança tenha possibilidade de crescer com qualidade de vida, amor, carinho e bons exemplos. 

 

A fundação ChildFund Brasil informa que até os seis anos de idade é uma das fases mais importantes do desenvolvimento da criança, pois é nesse período que a criança irá receber os estímulos fundamentais para o desenvolvimento emocional, cognitivo e motor. Ou seja, até os seis/sete anos a criança necessita de bons estímulos, uma boa base e uma boa fundação, que irão refletir no adolescente e adulto que ele(a) se tornará. Caso essa base não seja bem feita, assim como os prédios, os danos que isso pode causar no futuro, no adulto, às vezes pode ser irreparável. 

 

Claro que boa parte das crianças não recebem a devida atenção e qualidade de vida necessária por conta da desigualdade social que enfrentamos em nosso país. Segundo uma reportagem feita pelo Observatório do Terceiro Setor, 39,7% das crianças até os cinco anos têm seus direitos violados. Dos 14 aos 17 anos, esse número cresce para 60% dos adolescentes. Por isso, em 1990 foi criado o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que tem como princípio garantir os direitos das crianças e dos adolescentes. Além do ECA, em 2016, foi sancionada a lei do Marco Legal da Primeira Infância – lei 13.257 – que tem como principais propostas: 



        Garantir às crianças o direito de brincar;

        Priorizar a qualificação dos profissionais sobre as especialidades da primeira infância;

        Reforçar a importância do atendimento domiciliar, especialmente em condições de vulnerabilidade;

        Ampliar a licença paternidade para 20 dias para empresas que participam do programa Empresa Cidadã;

        Envolver a criança de até 6 anos na formatação de políticas públicas;

        Instituir direitos e responsabilidades iguais entre mães, pais e responsáveis; 

        Prever atenção especial e proteção a mães que optam por entregar seus filhos a adoção e gestantes em privação de liberdade.

 

Mas, como o Brasil é um país continental e, infelizmente, ainda há muitas famílias desassistidas, sabemos que, na prática, a lei acaba não sendo cumprida. O que faz com que muitas crianças não tenham suas necessidades básicas atendidas para garantir o seu desenvolvimento. Esse é um problema muito mais profundo que não irá caber neste artigo! Mas vocês conseguem entender que não é só ter um filho? Não é só ir lá e parir aquele serzinho.  As responsabilidades são para o resto da vida e são responsabilidades sérias, importantes. E que depois de feito não dá para voltar atrás.

 

Por isso, não faz muito sentido essa cobrança de ter filho logo, ou então, de que temos a obrigação de dar um neto, um herdeiro, uma distração para as pessoas ao nosso redor. Essas cobranças são o puro creme do machismo. Onde diz que as mulheres foram “feitas apenas para reprodução”! E como é triste ver outras mulheres reproduzindo isso, mesmo sabendo tudo o que envolve colocar um filho no mundo. Ver pessoas cobrando ou criticando casais que não pensam em ter filhos, ou estão esperando um melhor momento para esta etapa da vida, é como criticar pessoas que querem cuidar e respeitar os outros.

 

Filho não é um acessório, um item para ser riscado da sua lista de desejos, muito menos alguém que você coloca no mundão para cuidar de você na velhice. Criar e educar um ser humano vai muito além de colocar no mundo e alimentar. Muitas vezes, as pessoas esquecem disso e não se preparam para tais responsabilidades. 

 

“Ah, eu não tive o básico e consegui vencer na vida. Isso é desculpinha, quem quer dá um jeito!”

 

Olha, primeiro de tudo, eu sinto muito por você não ter tido o básico. Imagino o quanto isso deve ter lhe afetado e criado barreiras para você chegar aonde chegou, mas nenhuma criança merece comer o pão que o diabo amassou para, no futuro, se tornar um adulto que batalhou muito e que tem uma história de superação. Ninguém quer passar por isso.

 

“Ah, meus pais nem ligavam pra mim e para minhas necessidades e hoje tô bem!”

 

Novamente, eu sinto muito por você ter passado por isso, mas – muito provavelmente – esses pequenos abandonos que você teve na infância o marcaram e se tornaram traumas psicológicos que irão refletir nos relacionamentos da vida adulta. 

 

Entendam, não sou contra ter filhos. Pelo contrário, em algum momento acredito que eu e meu marido teremos nossos filhos. Mas, antes desse momento, nós estamos tentando construir uma base, uma boa fundação para quando essa criança chegar, ela ter o necessário para se desenvolver e conseguir crescer com qualidade de vida, estrutura e toda dedicação e amor que ela merece. E eu sei que, mesmo preparando tudo, ainda muita coisa vai sair do nosso controle, rs!

 

Então, antes de sair cobrando as pessoas para terem filhos, reflita se você REALMENTE fez ou faz o mínimo para educar e criar uma criança. Não cobre de alguém algo que você não terá a responsabilidade de criar e cuidar pro resto da vida. Pare de encher o saco das pessoas! 

 

Lembrando que, muitas vezes, os filhos chegam “de surpresa”, pois sabemos que não existe nenhum método 100% contraceptivo e que cada família sabe o melhor para si e seus respectivos participantes, mas tenha em mente que filho não é pra te satisfazer ou atender suas necessidades. 

 

Filho é um ser humano independente de você, e é uma pessoa que você irá deixar para o mundo, então procure fazer uma boa fundação na educação dessa criança, faça o melhor que está em suas mãos, pesquise. Nós temos acesso à informação na palma das nossas mãos. A educação e os cuidados que você tem com a criança irão refletir no adulto que esse baby irá se tornar.

 

Eu tenho ciência de todas as partes positivas e mágicas de quando se tem filhos, mas junto com elas vêm as partes “burocráticas” e que precisam ser pensadas e analisadas com carinho também. 

 

Esse post eu posso dizer que é um breve desabafo sobre as cobranças em se ter filhos logo, rs! E, novamente, eu não sou contra ter filhos. Na real, adoro crianças e por isso me preocupo em como elas serão recebidas aqui neste mundão. Enfim, é isso. Obrigada por ler até aqui, um beijo com carinho, Naiady Souza.

Está gostando? Compartilhe...

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on pinterest

4 respostas

  1. Amei.. falou muito sobre isso na vida real..
    primeiro pra vc ter filhos vc tem que se preparar totalmente tanto na base na vida dos pais futuros como psicologicamente.. pois é uma mudança radical da sua vida toda.. e muitos romantizam a gestação e a maternidade e não é totalmente assim… eu passei na primeira gestação e já estou com minha pequena de 1 ano e estou passando na minha segunda gestação atualmente.. muitas pessoa não tem desconfiômetro ou noção do que falam.. e muitos se acham que sabem muito, chegam achar que sabem mais que médico…

    Amei.. Nai..

    1. Siiim, as pessoas cobram as coisas da gente como se fossemos obrigada a seguir todas as regras e orientações que os mesmos criam na própria cabeça. Ter um filho, vai muito além de ter um bebê! Obrigada por comentar Ca! <3 E muita saúde e felicidade pra você e sua familia!

  2. Arrasou no artigo. Sou mãe recém-nascida e concordo plenamente com os pontos destacados no texto. Filho não é qualquer coisa. Muda a nossa vida pra sempre. Não é uma decisão qualquer. É algo que exige comprometimento e dedicação a vida toda. É mais do que compreensível que as pessoas queiram se preparar antes de ter um bebê, afinal de contas, informação é poder. Pais bem informados têm mais chances de acertar na edução é desenvolvimento dos filhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimos Posts